Jorge Eng2 (6)
Entrevista.com, 17.02.2022 às 10:33
PERCURSOS…
Jorge Rodrigues nasceu há 50 anos e vive em Castelões (Guimarães). A desempenhar funções nos Serviços de Acção Social da Universidade do Minho (SASUM) há 17 anos, faz parte de uma equipa com cerca de 140 trabalhadores que compõem, atualmente, o Departamento Alimentar.

Nesta entrevista, o responsável pelo bar de Engenharia II, fala-nos do seu percurso de vida e experiência profissional, conta como é vivido o dia a dia, considerando-se uma pessoa dinâmica, organizada e responsável, afirmando gostar muito do que faz e de ajudar os outros. 

Como chegou aos SASUM e qual o seu percurso profissional?

Sempre trabalhei no ramo da hotelaria. Fui convidado para vir para os SASUM e fiz parte da equipa do bar de Engenharia I. Quando abriu o bar de Engenharia II fiquei como responsável, onde estou, atualmente, com uma equipa excelente. 

Há quantos anos está nos Serviços e quais são as suas funções?

Estou nos Serviços há 17 anos. As minhas funções são orientar uma equipa excelente, fazer encomendas, rececionar os produtos, e, é claro, atender os nossos clientes o melhor possível. 

Gosta do que faz?

Claro que gosto. A prova disso é que já trabalho neste ramo há 35 anos. É um desafio diário, e quando se gosta de desafios, aceitá-los dá-me muito gozo. 

O que mais o motiva e quais as maiores dificuldades, no dia a dia, no desenvolvimento do seu trabalho?

O que mais me motiva é gostar do que faço. Gosto muito do trabalho em equipa, da interação com os clientes, de ver o cliente satisfeito com o serviço prestado. É desta forma que todos os dias tenho vontade de vir trabalhar. Quanto às dificuldades, os clientes são todos diferentes, uns mais exigentes que outros, mas tentamos responder sempre da melhor forma e adaptarmo-nos a cada um. Se pensarmos assim, o dia a dia torna-se muito mais fácil. 

Como é um dia de trabalho de Jorge Rodrigues?

Os dias são todos diferentes, interagimos com diversas pessoas e até pessoas novas diariamente. Com personalidades, pensamentos e até culturas muito diferenciadas, que fazem com que não haja rotina. Para mim, um dia de trabalho é um dia feliz, é fazer o que mais gosto. É cumprir o meu dever, é fazer o meu serviço o melhor que sei, sempre com simpatia e profissionalismo, e saber que deixei o cliente satisfeito. 

Como caracteriza o trabalho que é feito no Departamento Alimentar, em particular na sua unidade?

É um trabalho de apoio à comunidade académica, a nossa unidade presta serviço no campus de Azurém, em especial a quem frequenta a Escola de Engenharia, mas todos são bem-vindos. Penso que é um trabalho muito positivo que visa, principalmente, o fornecimento de refeições seguras, com qualidade e a preços acessíveis, valorizando a diversificação alimentar e a qualidade dos serviços prestados. 

Quais são as melhores e as piores memórias que tem do seu trajeto nos SASUM?

As melhores foi a implementação da certificação nos Serviços pelos referenciais ISO 9001, ISO 22000 e ISO 14001, em todas as unidades alimentares do Departamento Alimentar. Quanto às piores, não me lembro de nenhuma em especial, quando os problemas aparecem, tudo se resolve com calma. 

Como tem sido passar por esta pandemia, a nível pessoal e profissional?

A nível pessoal tem sido complicado, tal como para a grande parte de nós. Todos tivemos de nos adaptar à nova realidade, ao uso da máscara, ao distanciamento, a uma maior higienização… A nível profissional, também tem sido bastante difícil, estão sempre a haver alterações às quais temos de nos adaptar. 

Como olha para o futuro?

Com algum otimismo, esperando que a pandemia acabe para voltarmos à normalidade. 

 

Curiosidades

O que o marcou?

O nascimento das minhas duas filhas.

Ainda tem um grande sonho?

Ter uma vida mais calma para poder viajar.

Livro?

Com a azáfama do dia a dia, não tenho tempo de ler!

Filme?

Tudo o que sejam filmes de ação.

Uma música e/ou um músico?

Gosto muito de ouvir rádio, principalmente a TSF.

O que gosta de fazer nos tempos livres? 

Ver um bom jogo de futebol.

Vício?

Ajudar o próximo; caminhar…

A Universidade do Minho?

Uma casa onde me sinto bem. Acolheu-me da melhor maneira, gosto muito de aqui trabalhar.

Fonte: SASUM

Arquivo de 2022