alcaidebw--3-
Entrevista.com, 05.02.2016
“Tenho a certeza que a minha formação é mais completa pela influência deste percurso associativo.”
UMinho
Bruno Alcaide é o atual presidente da Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM). Empossado no passado dia 14 de janeiro, o jovem de 23 anos é aluno do Mestrado em Direito Administrativo e natural de Braga. Tendo entrado na UMinho no curso de Direito, desde cedo se envolveu no associativismo e na representação dos estudantes, tendo desempenhando as funções de delegado de turma, depois fazendo parte da Associação de Estudantes de Direito da Universidade do Minho (AEDUM) e posteriormente na AAUM da qual fazia parte desde 2013. O UMdicas esteve à conversa com o novo presidente para saber quais as ideias, dificuldades, projetos e ações da AAUM para o próximo ano, entre elas alguns pormenores sobre a Gata na Praia e Enterro da Gata.

Ser presidente da AAUM era um sonho ou algo que aconteceu por acaso?

No percurso associativo motivou-me sempre a representação dos meus colegas, o contato próximo e conhecer uma realidade muito abrangente. Não foi fruto do acaso, mas de um processo de crescimento. Aproveitei sempre as oportunidades com grande entusiasmo e com a responsabilidade de estar a representar os meus colegas. O trabalho que fui desenvolvendo nas diferentes funções teve um bom acolhimento por parte dos colegas de curso e das equipas que integrei, o que me permitiu reunir as condições para me candidatar a Presidente da AAUM.

O que te levou a apresentar a candidatura à Direção da AAUM?

Três razões: os direitos e interesses dos estudantes e a sua defesa, em primeiro lugar. O reconhecimento e apoio dos colegas que me acompanhavam no percurso académico e associativo, e da equipa que aceitou acompanhar-me neste enorme desafio, a quem sou grato pela confiança, pelo esforço. Em terceiro, o projeto que construímos. Uma candidatura que apresentei sentindo que estavam reunidas as condições de trabalho, as académicas e, em particular, as familiares.

O que significa para ti, ser Presidente da AAUM?

É uma enorme responsabilidade representar a instituição AAUM, representar os interesses pedagógicos, sociais, desportivos, culturais, e de inserção no mercado de trabalho de 19 mil estudantes. Um enorme desafio que se desenvolve num contexto de dificuldades para o ensino superior, e num quadro ainda restrito para futuro. Uma honra por representar uma instituição que tem um grande reconhecimento por parte de todos.

Foste eleitocom 2266 votos dos 2617 estudantes votantes. Estavas à espera deste resultado?

Durante a campanha, existia uma opinião generalizada que indicava que a abstenção seria mais elevada que nos anos anteriores, num aumento expressivo. Adotamos, por isso, uma estratégia de campanha que permitia envolver diretamente todos os estudantes. Os objetivos da equipa sempre estiveram bem definidos, com bastante realismo. Uma lista única conseguiu garantir que os valores da abstenção não aumentassem de forma acentuada e conseguimos, na lógica de este ser um projeto de continuidade, o melhor resultado que o projeto já apresentou. Assim, face ao esperado, foi um resultado bastante positivo e com o qual não estávamos a contar, ultrapassando as nossas expectativas.

Quais as linhas orientadoras que propões para dirigir a AAUM?

As linhas orientadoras centram-se numa aproximação da estrutura da AAUM aos estudantes, que incentive à sua participação e inclusão nas tomadas de decisão. É um objetivo que se concretiza com a implementação do orçamento participativo. E, também, com a criação de dois espaços da associação em ambos os campi e o estabelecimento do projeto de estágios curriculares que os alunos possam desenvolver no contexto de trabalho da AAUM. O projeto é transversal a todas as áreas, por isso, apresentaremos projetos para a promoção do desporto, plano em que, mais uma vez, a AAUM esteve ao mais alto nível, e para promoção da cultura, das atividades recreativas e das dinâmicas sociais.

Que inovações pretendes incutir no seio da Associação?

Uma das principais inovações é a criação do orçamento participativo. Permitirá que qualquer estudante possa ver implementado um projeto que idealizou e nos processos da sua execução, conheça os mecanismos de trabalho e organização da AAUM.



Já eras dirigente associativo. Quais são para ti os prós e contras do exercício deste papel?

Os prós de ser dirigente associativo estão associados ao conhecimento, à experiência que se adquire na organização de atividades que têm reflexo para milhares de estudantes, e que, pelos processos e procedimentos que devem ser cumpridos, permitem um maior conhecimento e desenvolvimento de competências transversais e extracurriculares. E a parte mais significativa, é o gozo que se retira por termos a oportunidade de organizar esta quantidade enorme de eventos que espelham todas as áreas de atuação da AAUM. Os contras estão sobretudo diretamente relacionados com os períodos em que é necessária uma maior atenção às tarefas ou atividades a realizar e que nos retira tempo e espaço para o convívio com familiares e amigos. Ainda assim, é possível, na maior parte das situações, conciliar as exigências da vida associativa com as necessidades da vida pessoal.

Quais pensas que serão as maiores dificuldades com que te vais debater enquanto Presidente da AAUM?

A maior dificuldade estará na defesa de uma mudança do atual paradigma do ensino superior, uma realidade marcada por um quadro de subfinanciamento que afeta a qualidade do ensino e impede o desenvolvimento das Instituições de Ensino Superior, agrava o desemprego jovem, abala as perspetivas de futuro de qualquer estudante que ingresse no ensino superior. E, numa dimensão pessoal, conciliar as exigências da disponibilidade de um dirigente associativo com as atividades letivas, o que reconheço possível com uma boa gestão de tempo.

Na tua opinião quais devem ser as atitudes/qualidades fundamentais do Presidente de uma Associação Académica?

A disponibilidade e a capacidade de ouvir os estudantes, a motivação de representar e responder às suas necessidades, com sentido de responsabilidade.

Pensas que este percurso de dirigente associativo será relevante para a tua formação enquanto indivíduo e para o teu futuro?

Tenho a certeza que a minha formação é mais completa pela influência deste percurso associativo. No enriquecimento do meu percurso académico, mas sobretudo, na minha formação enquanto cidadão e colega. É um percurso que nos incentiva a desenvolver a capacidade e o gosto de estar disponível para ajudar, ouvir, a trabalhar em equipa, a compreender a dimensão pessoal de cada um, a reconhecer o mérito e empenho dos que trabalham arduamente para alcançar objetivos, e o de vivenciar momentos únicos com quem nos acompanha.

No teu entender como deve ser vista a AAUM pelos estudantes?

A AAUM deve ser vista como uma associação próxima, que defende de forma dedicada e determinada os direitos e interesses dos estudantes, e que, na dimensão do espírito de missão, só pode estar ao serviço das expectativas dos estudantes.

O que pensas sobre o atual Regulamento de Bolsas de Estudo?

Em matéria de ação social, as alterações ao Regulamento de Atribuição de Bolsas quanto ao limiar de elegibilidade e ao pagamento das bolsas de estudo em dia fixo do mês, representaram melhorias, num sistema insuficiente para a realidade a que deve responder. Consideramos que deve proceder-se a uma Revisão do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior, defendendo a contabilização de rendimentos líquidos, ao invés da contabilização de rendimentos brutos, para que se consiga percecionar as suas efetivas necessidades. Esta pretensão enquadra-se no objetivo definido no programa do governo de reforçar a ação social escolar direta, através do aumento do valor das bolsas de estudo e do número de estudantes elegíveis, e da ação social indireta com a transferência de financiamento público adequado. Consideramos essencial o fim da contabilização do património mobiliário e a possibilidade de dedução de despesas do agregado familiar com encargos de saúde e habitação.


Que futuro prevês para o Ensino Superior em Portugal?

É um quadro de grande incerteza. A criação de um Ministério afeto ao Ensino Superior será demonstrativo da centralidade que se pretende dar ao Ensino Superior, no entanto, o Ensino Superior só poderá ultrapassar as atuais dificuldades com um reforço do financiamento, que não se verificou. As linhas orientadoras foram apresentadas, mas necessitam de um plano de aplicação, com medidas concretas.

Qual a tua maior preocupação enquanto representante dos estudantes?


É ter a capacidade de, a todo o tempo saber defender da melhor forma todos os estudantes da Universidade do Minho.

Uma sede para a AAUM no Campus de Gualtar é um projeto há muito ambicionado. Quais são as perspetivas de concretização? O que tem faltado?

Neste momento, é necessário avaliar junto dos agentes envolvidos qual o tempo previsto para a sua efetiva concretização, percebendo de que forma tem evoluído este processo. De facto, é necessário encontrar uma solução que tenha efetiva concretização, no curto/médio prazo. A AAUM tem feito um esforço para garantir as verbas adequadas para a implementação do projeto e tem, ao longo do tempo redefinido o projeto, consoante o envolvimento dos diversos agentes. É urgente que haja um efetivo comprometimento de todos os agentes com este projeto, e a AAUM estará atenta ao desenvolvimento deste projeto, procurando dar um novo impulso.

A UMinho tem sido palco de eventos desportivos universitários nacionais e internacionais de grande relevo, organizados em cooperação entre os SASUM, AAUM e a FADU, desde campeonatos mundiais, europeus, Fases Finais dos CNU´s. Quais são os objetivos principais destas organizações e o que pensas desta aposta no desporto que tem sido feita há já vários anos?

A aposta da AAUM na organização de grandes eventos desportivos é, uma aposta ganha. A organização destes eventos permite incentivar a prática desportiva dos nossos estudantes e, ao mesmo tempo, envolver um grande número de estudantes na organização das atividades, promovendo o sucesso desportivo e a experiência e enriquecimento de um currículo extracurricular.

A AAUM será coorganizadora, juntamente com a FADU e a UMinho do Mundial Universitário de Karaté 2016, que decorrerá em agosto. Como está a preparação e o que esperas deste?

O Campeonato Mundial Universitário de Karaté realiza-se nos próximos dias 10 a 13 de agosto. Neste momento encontramo-nos a preparar toda a logística humana e das necessidades das infraestruturas para o evento. À semelhança dos eventos desportivos passados, espero que consigamos envolver um grande número de estudantes na organização do campeonato, que a marca de excelência na organização destes eventos seja, mais uma vez, a nossa marca identitária e que os resultados para Portugal sejam muito positivos.

A UMinho em conjunto com a AAUM foi eleita a segunda melhor da Europa em desporto universitário. De que forma viste este reconhecimento?

É muito prestigiante para a AAUM alcançar este lugar no topo do ranking da EUSA, solidificando uma posição de destaque a nível nacional e europeu e justificando a grande aposta no desporto universitário. É um motivo de grande orgulho para a AAUM e para a UMinho, ver estes estudantes/atletas conseguirem conciliar o sucesso académico com o sucesso desportivo. Esta aposta no desporto é, certamente, para continuar.

Gata na Praia. Para quando e onde decorrerá este ano a atividade?

A Gata na Praia vai decorrer entre os dias 19 e 24 de março, e estamos neste momento a articular todas as questões da atividade, nomeadamente, o local da atividade, informações que serão divulgadas em breve.

Enterro da Gata. Quais as datas para o evento? Quais serão as novidades preparadas pela AAUM para este ano?

O Enterro da Gata tem data marcada para os dias 7 a 13 de maio. Estamos numa inicial de preparação das festividades do Enterro da Gata, sendo impossível desvendar qualquer novidade, mas estamos empenhados na sua preparação e informaremos a academia oportunamente.

Qual a relação da AAUM com a atual Reitoria?

A AAUM sempre manteve com a Reitoria uma relação de total independência, mas, ao mesmo tempo, estabeleceu um diálogo construtivo e contínuo, percebendo que uma relação de parceria que procura as melhores soluções para resolver problemas comuns será uma mais-valia para a defesa dos direitos dos estudantes e para a Universidade do Minho.

Que mensagem gostarias de deixar aos estudantes da UM?

Gostaria de apelar à participação ativa de todos os estudantes na vida da académia. Gostaria de dizer aos meus colegas que a AAUM estará continuamente atenta e disponível, contribuindo para que a AAUM seja sempre o ponto de partida e de chegada dos estudantes no seu percurso académico.


Texto: Ana Marques

Fotografia: Nuno Gonçalves


(Pub. Fev/2016)

Arquivo de 2016