aaeumfff778809
Entrevista.com, 14.07.2015
“A AAEUM é a estrutura que representa todos os Alumni e como tal tem como função principal fomentar o orgulho destes na sua Universidade.”
Braga
Com mais de 60.000 associados, a Associação de Antigos Estudantes da Universidade do Minho (AAEUM) tem como função principal fomentar o orgulho desses na sua Universidade. Através da promoção/criação de eventos, ações e iniciativas várias, os Alumni em ligação são cada vez mais e a rede Pioneiros cresce todos os dias. O UMdicas esteve à conversa com o presidente e vice-presidente da Associação, Francisco Pimentel e João Coutinhas respetivamente onde ficamos a conhecer algumas das últimas evoluções, novidades e projetos para o futuro, entre outras coisas.


Está no seu segundo mandato como Presidente da AAEUM. Que balanço faz deste percurso à frente da AAEUM?

O balanço é sempre positivo. Isto é, sinto que tem havido uma evolução, não só na atividade da associação, como na sua visibilidade. Contudo também sinto que as coisas poderiam estar melhores.

Qual tem sido a filosofia desta direção na valorização e promoção do projeto AAEUM?

A AAEUM é a estrutura que representa todos os Alumni e como tal tem como função principal fomentar o orgulho destes na sua Universidade. O princípio é: quanto mais orgulho o alumnus sentir na sua universidade, mais a fomenta, eleva e publicita, saindo por sua vez beneficiado, já que ele próprio faz parte da construção desse crescente prestígio.

Quais foram para si os projetos de mais relevo da AAEUM nestes três últimos anos?

Vários. Primeiro, A bolsa de Emprego dos "Pioneiros" e a rede Pioneiros em si, cujos resultados são visíveis; segundo, o aumento da visibilidade da AAEUM nas redes sociais, com milhares de visualizações por dia, interações e participação. Nomeadamente no Linkedin onde mantemos ativa a maior rede Alumni do país, com mais de 6.000 membros. Em terceiro lugar, a criação e registro da marca Alumni UMinho. Quarto, uma nova abordagem da interação com a Universidade, que tem vindo a crescer, designadamente pela participação ativa no Conselho Alumni (órgão consultivo do Reitor). Neste deixamos as nossas sugestões, preocupações e criticas. A este órgão transmitimos igualmente o nosso know-how, (que em termos Alumni é enorme e único) com resultados visíveis nas atividades que a Reitoria tem feito em prol dos Alumni. Por exemplo, a grande adesão e participação na festa Alumni em setembro passado no Largo do Paço (a repetir todos os anos) e que queremos cada vez mais participada! Por último, e não menos importante o lançamento recente da nossa ACADEMIA, no fundo a divisão de formação da AAEUM.

Esta Associação tem como objetivo representar os Alumni da UMinho e dar-lhes visibilidade. No seu entender isto tem sido conseguido?

Obviamente que sim. Uma prova é esta entrevista, outras há. Hoje milhares de Alumni falam da sua UMinho, vêm às festas, ligam-se, participam! O site, o facebook da AAEUM e PIONEIROS batem records de visitas, a bolsa de emprego funciona, a rede Pioneiros cresce todos os dias, as newsletters etc... agora que ainda há muito a fazer, há! e temos noção que os das gerações mais recentes ainda não ligam a isto! Contudo as coisas estão a mudar para melhor, claro.   

Com mais de 60.000 associados, de que formas os Alumni sentem que fazem parte da AAEUM?

Não podemos generalizar. Há os que sentem muito, principalmente os que trabalham na diáspora e os mais antigos. Há os que não sentem tão intensamente, (a maioria) mas têm orgulho, por exemplo, que o seu filho estude cá, e que, sempre que podem, elevam o nome da sua Universidade. Haverá igualmente aqueles que não sentem propriamente uma ligação, ou porque ainda são jovens e têm outras preocupações, ou porque não chegou ainda a altura de tomarem consciência da importância do networking, da continuidade de contacto com a sua universidade. A dimensão Alumni resulta também duma cultura à qual não se prestou a atenção devida no passado.  "Acabei o curso e pronto!". Felizmente as coisas estão a mudar, e rapidamente.

Uma nova sede é um desejo e um sonho para a AAEUM. Há alguma novidade sobre isto?

Infelizmente a resposta ainda é não. Julgamos que, se o objetivo de todos é aproximar os Alumni da sua universidade, ter um edifício de prestígio, que condignamente nos sedie, é da maior importância e urgência. Não faltam instalações à UMinho para instalar uma estrutura destas, e alguns desses imóveis julgamos estarem disponíveis. É preciso dar algo em troca aos Alumni para que eles também deem algo à sua universidade, e uma sede de prestígio seria um primeiro grande passo.

No seu entender, a AAEUM ocupa na UMinho o espaço que deve ou acha que algo deveria mudar?

Sendo a AAEUM uma entidade totalmente independente, digo-lhe que muita coisa há ainda a fazer e deveria ser feita. Um exemplo simples: uma representação no Conselho Geral, em igual número que os estudantes, ou seja quatro. Repare que os Alumni atualmente são, em número, quase quatro vezes mais que os alunos. Setenta e muitos mil para dezanove mil, e neste momento só temos um elemento no Conselho Geral e que não foi eleito/nomeado como tal.  

Que novidades está a preparar esta direção?

Algumas, duas "bombásticas". Trata-se de parcerias muito importantes, uma desportiva/social e outra a nível de emprego. Não posso revelar já pormenores, mas se tudo correr bem, como esperamos, será um pouco uma mudança de paradigma do que é a AAEUM e da sua função e talvez o grande salto em termos representativos e associativos.

Entrevista ao Vice-presidente da AAEUM - João Coutinhas

É o responsável pelo Departamento de Formação da AAEUM. Quais os objetivos deste?

O objetivo geral é o mesmo de sempre: disponibilizar aos antigos estudantes e à comunidade académica em geral formação complementar numa gama alargada de conteúdos. Especificamente, esta direção está apostada na remodelação profunda do departamento. Estamos a trabalhar na melhoria da qualidade dos cursos e workshops, assente em parcerias com entidades formadoras que nos garantam essa qualidade. Por outro lado, o esforço vai no sentido de oferecer conteúdos que abranjam áreas profissionais para as quais, até aqui, tínhamos oferta reduzida: por exemplo área de Ensino. Outro vetor importante é a articulação com parceiros que nos permitam levar a formação a outros locais que não a nossa sede em Braga: desde logo ao polo da UMinho e Guimarães, mas também a outros centros onde possamos estar mais perto dos Alumni. O projeto ACADEMIA vem dar corpo a toda esta dinâmica, assente num plano de formação que, pela sistematização do departamento, permita maior eficácia.

É uma das áreas de maior visibilidade da AAEUM. Porquê esta aposta?

Diria que é uma das apostas "naturais" numa associação que serve Alumni. Temos um feedback diário dos que terminaram o curso há muitos anos e de muitos que acabaram recentemente ou estão em vias de o fazer. A procura de formação complementar (por parte destes últimos) ou de aquisição de competências novas pelos que já fazem parte dum mundo profissional exigente é uma realidade a que temos que responder.  

Como funciona e qual a procura da parte do público-alvo?

A AAEUM mantem tradicionalmente um relacionamento pessoal com uma parte do seu público-alvo, os antigos estudantes. Mas não esqueçamos que a comunidade académica inclui também outros segmentos: os atuais alunos e os funcionários da UMinho (que no que respeita à formação gozam das mesmas condições dos nossos associados). Todo este público cresce ano após ano. Cresce igualmente a visibilidade de que falamos atrás, e consequentemente a procura por pessoas que não pertencem à comunidade académica. Assim, estamos também a modificar os nossos processos de diagnóstico de necessidades formativas, bem como a gestão da carteira de formadores. 

Há alguma novidade preparada para esta área, para o próximo ano?

Estamos a implementar meios de diagnóstico, a promover trabalho em conjunto com formadores e a planear ações diretamente ligadas à formação que não os cursos propriamente ditos. Um primeiro evento, ainda este ano, consistirá num Meeting de Formadores, em colaboração com um parceiro, que envolverá atuais e potenciais formadores da nossa Academia. No fundo, um evento na linha de networking que caracteriza a filosofia da atual direção da AAEUM. No próximo ano a AAEUM Academia realizará alguns eventos deste tipo e um evento de maiores dimensões, mas quanto a este, não está decidido ainda se integrará um evento global da AAEUM. Quanto à oferta formativa, temos duas novidades importantes que anunciaremos somente no segundo semestre deste ano (aquando da divulgação do plano de formação), uma vez que o fecho dos trabalhos depende ainda de protocolos em negociação. 

A AAEUM criou agora a sua "ACADEMIA". Em que consiste este projeto?  

O aumento da procura de formação complementar impunha mudanças profundas a um modelo que até aqui era adequado mas que começa a ficar desajustado aos novos desafios. Este projeto corporiza a remodelação total do departamento de formação, da imagem e comunicação à vertente organizacional. Diagnóstico de necessidades de formação, parcerias, carteira de formadores e planos de formação são alguns dos vetores que serão potenciados com a nova organização.

Quais os seus objetivos?

Propor uma oferta formativa que represente maior valor para o nosso público-alvo. Ou seja, conteúdos que se ajustam melhor às necessidades, e sobretudo inovadores. Permitir maior peso relativo de formação certificada na nossa oferta. Potenciar a taxa de ocupação da nossa sala de formação em horário laboral e levar a oferta a outros espaços. Promover ações de networking e eventos diretamente relacionados com a formação que promovam a nossa oferta e aumentem o fluxo de retorno do nosso mercado.


Texto: Ana Coimbra

Fotografia: Nuno Gonçalves


(Pub. Jul/2015)

Arquivo de 2015