nuno-costa--3-
Entrevista.com, 03.01.2011
Nuno Costa, a máquina de combate da UMinho
UMinho
Nuno Costa, aluno da Licenciatura em Arquitectura e atleta TUTORUM (Programa de Apoio Tutorial da UMinho aos atletas de alta competição), é uma autêntica máquina de combate que teve em 2010 um ano impar: Campeão Nacional Sénior, Campeão Nacional Universitário, Medalha de Bronze no Mundial Universitário e Campeão Europeu em Sub21. Vamos então conhecer um pouco melhor este futuro arquitecto que tem como grande sonho a presença nos Jogos Olímpicos.


Com que idade iniciaste a prática competitiva do Taekwondo e onde?

 Com 14 anos em Guimarães.

Achas que o taekwondo ajudou no teu desenvolvimento enquanto indivíduo?
Sim, muito. O Taekwondo ajudou-me a ser mais organizado, ter valores, ter objectivos, lutar por eles... Devo ao Taekwondo a pessoa que sou hoje. 

Qual foi o papel da tua família no teu percurso enquanto atleta de alta competição?

Foi, e é muito importante: sem eles é impossível ser atleta de alta competição.

Quantas vezes treinas por semana, e quanto tempo?

Doze vezes por semana, duas horas por treino

Algumas pessoas associam as artes marciais a comportamentos violentos. O que tens a dizer a essas pessoas?

Não se deve associar as artes marciais à violência porque acredito que Taekwondo nos torna mais tolerantes, paciente e compreensivos, mais calmos, evitamos melhor as situações conflituosas. Mas essa comparação vai sempre existir, é impossível para os praticantes de artes marciais não serem associados á violência, cabe às pessoas perceberem que se trata de um desporto como qualquer outro.

A maneira como tu lidas com a pressão e a ansiedade antes dos combates é algo que tu consegues trabalhar e treinar, ou simplesmente é algo com que apenas lidas na hora em que entras no tatame?

É algo que treinamos e que demora a controlar. Faz parte do treino de alta competição e que melhora consoante a experiência que vamos adquirindo.

És actualmente Campeão Nacional Sub21 e Campeão Nacional Universitário. Qual é para ti a grande diferença entre a competição federada e a competição universitária?

A diferença está na quantidade de atletas, pois relativamente à qualidade, uma grande parte dos melhores atletas portugueses são alunos universitários.

Recentemente participaste no Campeonato da Europa de Sub-21 onde te sagraste campeão europeu. Como correu essa prova e qual foi a sensação de ouvires o hino de Portugal no degrau mais alto?

Correu muito bem, estava muito bem em todos domínios físicos, técnicos, tácticos. Estava muito motivado e confiante em tudo o que fazia. À medida em passava cada combate dava-me ainda mais força para vencer o seguinte. Só queria ganhar o próximo, independentemente do adversário e da sua qualidade confiava sempre nas minhas capacidades. Quando dei por mim já era Campeão da Europa sub21. Foi um orgulho enorme por o hino português a tocar perante todos os atletas da prova.

No Europeu Universitário de 2009 e no Mundial Universitário de 2010 alcançaste bronze em ambas as provas. Em 2011 na China decorrem as Universiadas? o ouro é uma meta real?

Sim, sem dúvida. Nunca participei numas Universiadas, estou muito na expectativa, muito motivado, nunca um português conseguiu uma medalha e gostava de ser o primeiro. Apesar do nível elevadíssimo e querer muito o ouro, uma medalha nesta prova é sinal de sucesso.

Os jogos Olímpicos de 2012 em Londres são um sonho ou algo mais?

É um sonho e um objectivo com data marcada. Todos os dias penso nisso, como penso em todos os meus outros objectivos. Faço  e farei tudo o que esta ao meu alcance para conseguir lá estar.

O facto de competires pelo teu actual clube condicionou a tua escolha de Universidades quando concorreste? Porque?

Claro. Por causa da sua localização poder conciliar melhor as duas coisas.

Para muitos atletas de alta competição torna-se difícil conciliar os estudos com a prática desportiva. Como é que tu consegues gerir esta nem sempre fácil "relação"?

Consigo, com um horário de treino que permite assistir às aulas. Requer muita dedicação e organização e ajudas, tanto dos amigos como dos docentes lá em arquitectura 

A UMinho iniciou em Portugal um programa pioneiro no que diz respeito ao apoio aos atletas de alta competição, o TUTORUM. O que pensas desta iniciativa e do programa em si?

Acho que é uma  brilhante ideia e iniciativa. Que deve continuar a ser desenvolvida pois pode realmente fazer a diferença no momento em que escolhemos a universidade onde vamos estudar.

Em áreas já recebeste apoio através do TUTORUM?

Maior flexibilidade nas datas de entrega de trabalhos e maior flexibilidade na justificação de faltas.

.

Os teus objectivos pessoais passam por uma carreira profissional no taekwondo ou os estudos vêm em primeiro lugar?

Gostava de dedicar a minha juventude ao Taekwondo e depois como sei que ainda vou ter muito tempo pela frente tenho o curso para me apoiar.

Descreve-me uma segunda-feira na vida de Nuno Costa.

Às 6h da manhã acordo, 06:30 começo o primeiro treino até às 08:30. Às 9:00 apanho o autocarro para Guimarães. Durante o dia estou nas aulas até às 17h. Depois apanho a autocarro para Braga e treino das 17:30 às 19:30. Depois janto na cantina da universidade e procuro deitar-me antes das 22:30.

Texto e Fotografia: Nuno Gonçalves

(Pub. Jan/2011)

Arquivo de 2011