4x200m-fem2005
Desporto, 23.05.2005
3 CNU’s 3 vitórias
Guimarães
A pista Gémeos Castro acolheu a realização dos CNU's de Atletismo de Pista, 13 medalhas individuais e ainda o título colectivo por equipas foi o resultado final.
Já está! O sonho é agora realidade. O que era objectivo inicial passou agora a ser facto e mais do que isso até - já faz parte da História.
O enquadramento era o ideal: os Campeonatos Nacionais Universitários de Pista tinham sido marcados para Guimarães, as provas do calendário eram favoráveis à equipa da AAUM e todos os presentes estavam em forma. Era só deixar decorrer as provas e tudo havia de encaixar. E assim foi.
A pista Gémeos Castro acolheu, como sempre, de forma muito agradável a realização destes CNU Atletismo de Pista, pela primeira vez na cidade de Guimarães.
A AAUM apresentou 15 atletas sobre um total de 16 provas. Destas 16 provas obtiveram-se um simplesmente fantástico total de 13 medalhas individuais e ainda o título colectivo por equipas com 85 pontos contra 73 da AEFCT.
Os atletas medalhados foram os seguintes: o Ouro foi conseguido pelo Salto em comprimento (Liliana Correia de Economia), 4x200m (Pedro Costa de Física, Bruno Vasconcelos de Eng.ª Biológica, Paulo Silva de LESI e Hugo Gonçalves de LESI), 4x200m (Liliana Correia de Economia, Márcia Tinoco de Gestão, Anabela Pereira de Química Aplicada e Ercília Machado de Eng.ª Biológica), e ainda foram também a Equipa campeã nacional universitária.
A Prata foi conseguida pelos 100m (Pedro Costa de Física), 1500m (Ercília Machado de Eng.ª Biológica), 3000m (Nuno Couto de Física), Salto em altura (Hugo Gonçalves de LESI), 400m (Anabela Pereira de Química Aplicada).
O Bronze foi arrecadado pelos 100m (Liliana Correia de Economia), Salto à vara (Paulo Silva (LESI), 1500m (Anabela Pereira de Química Aplicada), Salto em altura (João Machado de LESI), 400m (Márcia Tinoco de Gestão).
A organização local esteve um pouco àquem do esperado para uma prova nacional, ainda que universitária. Não se entende por exemplo a marcação das provas de comprimento e altura masculina à mesma hora e depois de igual forma as mesmas provas no feminino também à mesma hora. Erros ou invenções tristes e inadmissíveis.
Ficou de novo provado a necessidade de uma cuidada e profunda análise de todo o processo logistico-organizativo por parte da FADU em termos de inscrição/confimação de prova. Algumas sugestões foram feitas e muito bem recebidas por parte dos responsáveis, a ver vamos a sua implementação.
De uma forma geral pode considerar-se uma participação aceitável mesmo em ano de Universíada. Um total de perto de uma centena de atletas inscritos num total de 23 academias representantes do todo o país.  
Quanto ao sonho... aí estão as provas, 13 medalhas registadas para a posteridade. Para a História.
Entrevista com Paulo Ferreira, coordenador da modalidade de Atletismo da UM
1-   Qual tem sido o percurso do atletismo na UM?
Desde que fui convidado a gerir o Atletismo na Universidade do Minho, de à sete anos a esta parte, temos tido um percurso muito agradável e com algum sucesso. Desde cedo foi possível perceber que o melhor caminho para o sucesso seria o enquadramento de atletas praticantes federados, juntamente com todos os outros que já tenham praticado ou que gostariam de experimentar a prática desta modalidade. Mas o factor importante, independentemente do nível do atleta, é a participação sem preocupação pelo resultado. Tem sido essa a filosofia e é sem dúvida o melhor caminho para este nível competitivo.
2-   Quais as competições mais importantes em que participamos (UM)?
É precisamente esse um dos problemas desta modalidade, o calendário competitivo em termos universitários é muito reduzido. Temos 3 competições enquadradas em Campeonatos Nacionais Universitários (pista, corta mato e pista coberta). Depois podemos ter ainda uma ou outra competição de índole mais restrita e geralmente dependentes de organização particular como é exemplo dos Jogos Galaico Durienses. Há ainda que referir a Estafeta Braga-Guimarães, organizada pelo Departamento de Desporto e Cultura (DDC) e que tem tido um crescimento notável tanto na comunidade universitária como na população em geral.
Recentemente tem-se tentado dentro do DDC e mesmo junto da FADU chamar a atenção para este facto muito importante de poucos momentos competitivos, e até se tem apresentado alguns projectos e ideias para inovar neste sentido. Parece-me que em breve teremos mais uma ou duas competições para lançar à comunidade académica.
3-   O que já ganhamos?
Esta é muito fácil: tudo o que havia para ganhar! Então este ano em particular tem sido fantástico. A equipa de Atletismo da Universidade do Minho foi vencedora colectiva dos três CNUs em que participou, arrecadando um impressionante total de 21 medalhas individuais.
4-   Quais as condições que os atletas da UM têm para treinar?
Os atletas tem direito de utilização das pistas no Estádio 1º Maio e também da pista coberta (quando montada de Novembro a Fevereiro). Igualmente podem usufruir do espaço nos Campi da Universidade e das suas instalações desportivas (nomeadamente a sala de musculação em horario reservado).
5-   Como são realizados os treinos?
Como referi o enquadramento dos atletas é o segredo do sucesso. Uma grande parte dos atletas da Universidade do Minho já está numa situação de treino estável integrado num clube federado e orientados por um colega treinador. Há também atletas a quem eu oriento uma preparação generalizada ou então mais específica na altura das provas.
6-   Qual o apoio da UM aos atletas?
A Universidade através do DDC e da AAUM tem dado todo o apoio à modalidade. Desde a satisfação da necessidade dos equipamentos de competição, passando pela própria deslocação e alimentação às competições, nada tem faltado à nossa equipa. 
7-   Alguma resposta para o sucesso obtido este ano?
Desde logo a participação nos ''Sell Student Games'' em Riga (Letónia) é sem dúvida a maior resposta ao trabalho efectuado neste e ao longo dos últimos anos. Sempre tenho defendido a participação em provas internacionais no sentido, não apenas de testar as capacidades dos atletas perante outros universitários, mas também como forma de motivação para os mesmos.
8-   Quais foram as conquistas este ano?
Em números entende-se bem. Em medalhas individuais, 7 foram de ouro, 8 de prata e 6 de bronze. Se juntarmos ainda os três títulos colectivos perfazem 24 medalhas sobre um total de 38 atletas designados como campeões nacionais universitários.
9-   Qual o percurso realizado até ao sucesso final?
Foi simples. Quando vi algumas entradas de caloiros este ano na Universidade e também o regresso de alguns outros atletas ausentes por estarem em Erasmus, apercebi-me que poderiamos conseguir este feito. Para mais houve também mérito na forma como as equipas foram distribuidas pelas provas dos calendarios de competição, mas acima de tudo, a qualidade do grupo prevaleceu.
10-   Em ano de universíadas, teremos alguma participação a nível do atletismo?
Realmente tenho pena, nesse aspecto, que os tempos que agora correm não são outros. Já foi o tempo em que as comitivas não tinham que ser tão restringidas por razões financeiras. E essa contenção nota-se desde logo nos mínimos propostos aos atletas universitários. Ainda assim, acredito que há no Atletismo da Universidade do Minho pelo menos dois candidatos com qualidade para integrarem, caso sejam constituidas, estafetas de 4x100m ? Pedro Costa (Física) e Liliana Correia (Economia).   
11-  O atletismo é valorizado na nossa academia?
Não sei bem o que se pode entender por valorizado. Não tenho dúvida que o trabalho efectuado é reconhecido no Departamento, pois são me dirigidos com muita frequência votos de parabéns pelos resultados alcançados. Em termos de academia receio ter uma ideia um pouco mais pessimista, não em relação especificamente ao reconhecimento do Atletismo, mas antes em relação ao desporto de competição em geral. Mas esta é uma ideia, como referi, pessoal. Julgo ainda que poderia haver mais abertura por parte dos docentes. Por incrível que pareça ainda me deparo hoje em dia com situações do género ''Lá porque vais correr não tem nada a ver comigo''. A isto apenas encolho os ombros e tento ajudar os alunos o maximo que posso. Sim, porque aqui são todos, sem excepção em primeiro lugar alunos e depois atletas.
12-   Há muitos participantes na UM?
No total devemos rondar por baixo a meia centena. Em termos competitivos, aproximadamente 25 a 30.
13-   Quem são os atletas vencedores deste ano de glórias?
CNU Pista Coberta - Espinho
  • Ouro
    • 60m: Liliana Correia (Economia)
    • 60m: Pedro Costa (Física)
    • Salto em altura: Nuno Alcobia (LESI)
    • 4x200m: Liliana Correia (Economia), Márcia Tinoco (Gestão), Anabela Pereira (Quimica Aplicada) e Ashley Novais (Biologia Aplicada)
    • Equipa campeã nacional universitária
  • Prata
    • Salto em comprimento: Liliana Correia (Economia)
    • Salto em altura: Emília Sousa (Quimica Aplicada)
CNUCorta Mato - Oliveira de Azemeis
  • Ouro
    • Equipa campeã nacional universitária
  • Prata
    • André Silva (Engª Comunicações)
  • Bronze
    • Anabela Pereira (Química Aplicada)
Estafeta Universitária Braga-Guimarães
  • Ouro
    • Liliana Correia (Economia), Márcia Tinoco (Gestão), Anabela Pereira (Quimica Aplicada) e Ashley Novais (Biologia Aplicada), Hélder Rodrigues (Arqueologia), Nuno Couto (Física), Adelino Novais (Psicologia) e Bruno Vasconcelos (Engª Biologica).
CNU Pista ? Guimarães
  • Ouro
    • Salto em comprimento: Liliana Correia (Economia)
    • 4x200m: Pedro Costa (Física), Bruno Vasconcelos (Engª Biologica), Paulo Silva (LESI) e Hugo Gonçalves (LESI).
    • 4x200m: Liliana Correia (Economia), Márcia Tinoco (Gestão), Anabela Pereira (Quimica Aplicada) e Ercília Machado (Engª Biologica).
    • Equipa campeã nacional universitária
  • Prata
    • 100m: Pedro Costa (Física)
    • 1500m: Ercilia Machado (Engª Biologica)
    • 3000m: Nuno Couto (Física)
    • Salto em altura: Hugo Gonçalves (LESI)
    • 400m: Anabela Pereira (Quimica Aplicada)
  • Bronze
    • 100m: Liliana Correia (Economia)
    • Salto à vara: Paulo Silva (LESI)
    • 1500m: Anabela Pereira (Quimica Aplicada)
    • Salto em altura: João Machado (LESI)
    • 400m: Márcia Tinoco (Gestão)
14-    Que recompensa espera 1 atleta de atletismo depois de 1 ano em que ganharam tudo?
Recompensa? Não sei bem! Por um lado apreciei muito o gesto de viabilizar a participação na competição na Letónia. Acho que para os melhores atletas é sem sombra de dúvida um incentivo e um prémio pelo trabalho realizado. Julgo também que a participação na Gala de Desporto também seja um momento de reconhecimento. È que é sem sombra de dúvida espectacular! Nunca ninguém havia ganho tudo.
Arquivo de 2005