cartaz-fump2016
Cultura, De 07.10.2016 a 08.10.2016
XIX Festival Universitário de Música Popular (FUMP)
Braga
Será nos próximos dias 7, 8 e 9 de outubro, que a cidade de Braga acolherá o XIX FUMP - Festival Universitário de Música Popular (FUMP), um festival que pretende a divulgação da cultura, tradições e origens populares portuguesas, através da música e da dança.


Este evento, organizado pela Associação Recreativa e Cultural Universitária do Minho (ARCUM), Grupo Folclórico da Universidade do Minho (GFUM) e Grupo de Música Popular da Universidade do Minho (GMP), conta, entre muitos, com o apoio do Município de Braga e prediz um fim-desemana de (re)lembranças de histórias, de cânticos e de vozes outrora passados, mas presentes e passados até aos dias de hoje através dessa linha intemporal que se designa por memória. 

Esta décima nona edição do FUMP, realizar-se-á no Largo de S. João do Souto e arrancará por volta das 21h30m de sexta-feira, com um arraial minhoto onde, para além de atuação de grupos de concertinas, se almeja a participação de toda a comunidade bracarense, num momento de convívio e de retornar às nossas origens com a realização de uma desfolhada. 

No segundo dia de festival, dia 8, a noite da cidade de Braga será uma vez mais presenteada com sons e visões inebriantes. Desde as cores vibrantes dos trajes ao ritmo compassado do bombo, poder-se-á assistir à atuação da parceria "Origem" Tradicional e GFUM, que começará por volta das 21h30m, sendo esta seguida por "Velha Gaiteira". No final das atuações, de forma a dar continuidade ao espírito de festa, existirá um autocarro responsável pelo transporte desde o centro da cidade até ao Pavilhão Multiusos, onde se realiza a Receção ao Caloiro. 

No último dia, o Largo de S. João de Souto será novamente palco de atuações, com a participação do GFUM por volta das 14h30m, seguido pelo GMP às 15h30m. Para finalizar o festival, por volta das 16h realizar-se-á o "Folclore no Terreiro", uma ocasião não só de convite como também de desafio, pois esta iniciativa pretende juntar tocadores, cantadores e bailadores ao som dos viras, chulas e malhões da região. De salientar que, uma vez que visa recordar os terreiros de antigamente, este será um convite informal, sem trajes. 

Fonte: ARCUM

(Pub. Out/2016)
Arquivo de 2016