premio-vitor-sa--2-2015
Cultura, 21.12.2015
Duarte de Freitas foi o vencedor da 24ª edição do Prémio Victor Sá de História Contemporânea
UMinho
Após ter sido dado a conhecer o vencedor da 24ª edição do Prémio Victor Sá de História Contemporânea, decorreu no passado dia 15 de dezembro a cerimónia de atribuição dos Prémios, bem como a apresentação do trabalho vencedor que este ano foi entregue a Duarte Freitas, com a obra "Memorial de um complexo arquitetónico enquanto espaço museológico: Museu Machado de Castro (1911-1965)".


O Prémio Victor Sá de História Contemporânea distingue jovens investigadores portugueses e dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, até à idade de 35, residentes no país ou no estrangeiro, e tornou-se o mais prestigiado Prémio, nesta área, a nível nacional, atribuindo um valor monetário de 2 mil euros.

A concurso estiveram 12 obras, quase todas teses de doutoramento, uma edição muito participada como aliás já se vem tornando um hábito, o que demonstra quer o prestígio alcançado, quer a vitalidade da historiografia portuguesa contemporânea. Desde a altura em que foi instituído o prémio - 1992, estiveram a concurso, tal como referiu a presidente do Concelho Cultural, Maria Eduarda Keating "mais de 200 trabalhos", um prémio que segundo a mesma "tem-se mantido através dos fundos deixados pelo seu fundador - Doutor Victor Sá, bem como pelo apoio das Câmaras Municipais".

O vencedor foi encontrado em reunião do júri do Prémio de História Contemporânea, que foi presidido pelo Professor Viriato Capela da UMinho, o qual contou como vogais, com o Professor António Pires Ventura, da Universidade de Lisboa e a Professora Irene Vaquinhas, da Universidade de Coimbra. Como referiu o Presidente do júri, os trabalhos apresentados foram "na generalidade trabalhos académicos, cinco teses de mestrado e sete de doutoramento", sublinhando que este prémio "destaca o que de melhor se produz no âmbito da historiografia portuguesa contemporânea" e realçando que os vencedores "são atualmente, na sua maioria, personalidades de relevo a nível nacional e internacional, a nível político, social e académico".

Sobre o 1º prémio atribuído na edição deste ano à obra "Memorial de um complexo arquitetónico enquanto espaço museológico: Museu Machado de Castro (1911-1965)" uma investigação de Duarte Freitas, sobre a criação do Museu Machado de Castro, em Coimbra foi classificada pelo presidente do júri como "uma obra que serve de roteiro para estudos sobre outros museus, que na mesma altura se criaram Portugal."

Foi ainda atribuída uma menção honrosa à obra "Ciência, Prestígio e Devoção: Os Jesuítas e a Ciência em Portugal (séculos XIX e XX)" de Francisco Romeiras.

No próximo ano, o Prémio Victor Sá de História Contemporânea faz 25 anos, para assinalar a data está a ser preparado um programa especial com várias iniciativas a decorrer ao longo do ano.

Texto: Ana Marques

Fotografia: Nuno Gonçalves

(Pub. Dez/2015)

Arquivo de 2015