1dez2014--3-
Cultura, 02.12.2014
Récita do 1º de Dezembro: Theatro Circo enche e mostra que tradição está bem viva!
Theatro Circo
A Récita do 1º de Dezembro, evento comemorativo da Independência de Portugal conquistada em 1640, realizou-se na noite de domingo, 30 de novembro. O Theatro Circo foi o palco desta celebração, que acolheu os vários Grupos Culturais da Academia Minhota, bem como todos os que não quiseram perder as suas atuações e manter viva esta tradição.


Os Bomboémia inauguraram o palco do Theatro Circo nesta noite de festa, e durante cerca de seis horas foram 16 os Grupos Culturais que pisaram o chão desta emblemática sala de espetáculos da cidade de Braga.

As primeiras atuações foram realizadas pelas Tunas de Medicina da Universidade do Minho, pela Afonsina e pela Gatuna, que mostraram os seus temas mais recentes. O Grupo de Fados e Serenatas veio mudar o ritmo, presenteando o público com três fados.

A Tun'obebes - Tuna Feminina de Engenharia da Universidade do Minho, voltou a trazer ao palco o som caraterístico das tunas e deu depois lugar ao grupo estreante, o Grupo Folclórico da Universidade do Minho. Este grupo sublinhou que devemos "estar orgulhosos, e não envergonhados, das nossas tradições" e mostrou claramente o que queriam dizer com tal afirmação.

O momento seguinte pertenceu ao Grupo de Jograis que, com a sátira que lhes conhecemos, desmistificaram a existência de caldo verde na cantina e puseram toda a plateia a rir. Antes do intervalo houve ainda tempo para a Azeituna subir ao palco, animar o público e divulgar o festival "Celta", que vai decorrer nos próximos dias 12 e 13 de dezembro.


A segunda parte do espetáculo começou com a Ordem Profética (Opum Dei), que com a sua já habitual irreverência, relembrou episódios da vida pública da Academia e do nosso país. Os IPUM - Associação de Percussão da Universidade do Minho, foi o grupo cultural que se seguiu. Os "azuis dos bombos"conseguiram dar música mesmo com as luzes apagadas (a pedido deles) e apelaram à solidariedade de todos para arranjarem um novo local de ensaios.

O Coro Académico da Universidade do Minho cantou o Hino da Academia, pondo toda a audiência em pé, e apresentou também um novo tema. Seguiu-se o Teatro Universitário do Minho, que exibiu o seu mais recente projeto: a interpretação de textos do "Manual da Felicidade", da autoria de João Negreiros.

A noite já ia longa, mas ainda havia tunas à espera para mostrar o seu trabalho. A Augustuna interpretou os temas "Vinho do Porto", "Vinho verde" e "Já passa da hora de fechar" de forma bem-disposta. Depois foi a vez da tuna feminina estreante, Tun'ao Minho, subir ao palco e mostrar três dos seus temas. A Tuna Universitária do Minho, a mais antiga desta "mui nobre Academia", encerrou esta celebração com o estilo divertido com que já nos foram habituando.

Texto: Marta Borges

Fotografia: Nuno Gonçalves


(Pub. Dez/2014)

Arquivo de 2014