festival-outono--1-5702014
Cultura, 25.11.2014
“Ainda há muito para fazer, nomeadamente no envolvimento dos estudantes”
UMinho
A 5ª edição do "Festival de Outono" realizou-se entre 2 e 5 de outubro, um evento organizado pelo Conselho Cultural da Universidade do Minho (CC) que teve como palcos as cidades de Braga e Guimarães. Organizado anualmente, o evento tem conseguido crescer não só em número de atividades, mas também em participantes, apesar de tudo, os responsáveis querem um maior envolvimento dos estudantes.


Ocorrendo no início do ano académico, com o propósito de dar a conhecer, principalmente aos novos alunos, as potencialidades, ao nível cultural, das duas cidades onde a Universidade está implantada, o evento decorre normalmente ao longo de três dias (de quinta a sábado) envolvendo as Unidades Culturais que integram o Conselho Cultural e os agentes culturais da região, nomeadamente museus e autarquias.

Este ano, a iniciativa contou com mais um dia do que é normal, pois no domingo decorreu o ponto alto do evento, como concerto da Orquestra da UM, dirigida pelo Maestro Vitorino d`Almeida, em que foi tocada a sinfonia nº6, composta por este maestro e que levou o nome da Universidade do Minho. "Foi um momento muito alto do Festival, encheu o Grande Auditório de Vila Flor, em Guimarães e o Salão Medieval, em Braga" referiu aPresidente do CC, Maria Eduarda Keating.

A Presidente faz um balanço positivo do evento "correu muito bem". Desta forma, esta que foi a 5ª ediçãoagradou aos responsáveis, pela envolvência que o festival criou com as cidades, desenvolvendo empatia com o público já habitual e cativando novos membros da comunidade, tanto académica, como público externo à Universidade. "Mexeu e envolveu as cidades de Braga e Guimarães, criou empatia com o público, que é fiel, e acolheu como é desejável, novos públicos" garantiu. Mas segundo a mesma, o CC ainda não está satisfeito, asseverando que "há ainda muito a fazer, nomeadamente no envolvimento dos estudantes", garantindo que "É nossa meta que os alunos do 1º ano venham em massa conhecer as cidades onde vão estudar e a oferta cultural que elas lhes proporcionam, nos espaços dinamizados pelo Conselho Cultural e fora deles", estando-se a trabalhar em parceria com a AAUM para que nas próximas edições mais alunos do 1º ano participem no evento que pretende mostrar a forte e qualificada oferta cultural das duas cidades, sendo por isso uma espécie de "montra" da oferta cultural de Braga e Guimarães, afirma a responsável.

Desenhado para a academia, o vastíssimo programa é totalmente livre e sem custos para os participantes. "Os alunos, principalmente os estrangeiros, sempre se surpreendem com o facto de não terem que pagar inscrições, visitas, nem as entradas nos concertos", mas este é também aberto ao público externo à Universidade "talvez este ocorra até em maior número. O público externo de Braga e Guimarães já se habituou às iniciativas do Conselho Cultural, dirige-se-nos e solicita-nos informação cultural frequentemente" referiu EduardaKeating,

Parceiras exemplares têm sido as autarquias, seja na divulgação, seja na cedência de espaços e apoios vários, sem as quais "não conseguiríamos realizar os programas que nos propomos, pois o nosso orçamento é muito exíguo" afirmou a presidente.  

Com um sucesso cada vez maior, de ano para ano, "temos cada vez mais dificuldades em garantir espaço para todos nos nossos eventos", o Festival de Outono é já "um hábito nas cidades de Braga e Guimarães?, que tem ganho com a estratégia de "trabalhar cada vez mais em rede com as autarquias, museus, bibliotecas e associações", o que acaba por criar uma imagem do Festival como uma "programação integrada, associada às forças culturais da região" destacou a responsável.

A parceria tem sido também fomentada ainda, segundo EduardaKeating, pelos "constrangimentos orçamentais" vividos atualmente pelo CC e pela sociedade em geral, apesar de tudo, a responsável refere que as parcerias têm sido uma "experiência bastante gratificante, que espero que continue, e que acabou também por dar maior consistência ao Festival e explicar também em grande parte o seu sucesso".

Programação do CC até final do ano

Dia 21 de novembro, o colóquio "Entre Mouros, Cristãos e Judeus" - Colóquio de Homenagem ao Dr. António Losa ? conhecido arabista e erudito bracarense cujo centenário se celebra nessa data.

A 27 de novembro, data do 100º aniversário do nascimento do Prof. Lúcio Craveiro da Silva, antigo Reitor da UM, seu fundador e figura incontornável da cultura, realizamos um Colóquio/Homenagem, de um dia inteiro, de entrada livre, e que trará ao Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Minho personalidades da cultura nacional e antigos reitores que prestarão testemunho sobre esta personalidade, que foi também o primeiro Presidente do Conselho Cultural. O Colóquio intitula-se "Lúcio Craveiro da Silva: Homem de Ação e Pensamento".

A11 de dezembro, a Sessão de entrega do Prémio Victor Sá de História Contemporânea, que é uma iniciativa anual do Conselho Cultural. Este ano, por se comemorar os 40 anos do 25 de Abril, a entrega do prémio será acompanhada de uma conferência e de uma exposição na Galeria do Salão Medieval, sobre a Imprensa Clandestina, apresentando um trabalho de investigação inédito, da autoria do Prof. José Manuel Lopes Cordeiro, investigador do Departamento de História da UM.

Diversos eventos no âmbito dos ciclos que mantemos com a Rádio Universitária - RUM.

Texto: Roberto Correia 


(Pub. Nov/2014)

Arquivo de 2014