default-header-news
Cultura, 25.10.2007
Workshop de Dramaturgia
UMinho
O Teatro Universitário do Minho - TUM promove a realização de uma oficina de dramaturgia pelo encenador/dramaturgo João Negreiros.
No contexto actual da dramaturgia portuguesa torna-se imperativo a formação na escrita criativa. O Teatro Universitário do Minho - TUM pretende promover a realização de uma oficina de dramaturgia pelo encenador/dramaturgo João Negreiros .
Objectivos
No final deste curso, os participantes terão uma compreensão profunda do processo criativo de escrita dramatúrgica (conflito, acção dramática, construção e caracterização das personagens, linguagem) em articulação com as exigências colocadas pela encenação e interpretação dos textos e peças.
Sessões, duração e horário
- 8 quartas-feiras
- 2 meses : de 7 de NOV a 26 de DEZ - das 20h30 às 23h30
- total 24h

Local
Sala 212, Complexo Pedagógico do Castelo
Rua do Castelo
Braga
Inscrições
Solicitar ficha de pré-inscrição para: teatrum@gmail.com
Preços
          60E - Externos
          50E - Estudantes da UM
          40E - Sócios do TUM e AAUM
          30E - Bolseiros
Formador
Poeta e dramaturgo,  João Negreiros nasceu em Matosinhos a 23 de Novembro de 1976. Muito novo, escrevia já teatro, poesia e prosa poética. Na área do teatro, a sua obra foi crescendo, sendo hoje bastante extensa. Nela se incluem algumas peças como "Os Vendilhões do Templo" e "Silêncio" recentemente levada à cena pelo Teatro Universitário do Minho (TUM). Os textos de prosa poética, as crónicas e os contos, entre outros, continuaram também a ser criados, tendo, em Outubro de 2002, sido publicado na Revista QUO o Conto de Ficção Científica "Capitão Spalding - A Origem". Desde 2004 têm vindo a ser escritos, numa frequência quase diária, textos de humor integrados no projecto www.sentidodeamor.com.
O encenador do TUM é director artístico da companhia de teatro "..re..petição" e estudou teatro na ESMAE. Elege "A morte de um caixeiro viajante" como a sua peça de teatro preferida, admira o trabalho cinematográfico de Werner Herzog, mas escolhe "The Meaning of Life" como o filme da sua vida. É fã dos Velvet Undergroud, adora bolo de chocolate com noz e não perde os episódios dos Simpsons e de South Park.

Obras Publicadas

"Eis uma dramaturgia consciente dos seus poderes cénico-formais e poéticos, das situações que representa e do que nelas se faz matéria de questionamento ou ludicidade, emoção, desejo, compromisso ético. Criando engrenagens interlocutórias e dinâmicas de palco que levam a linguagem, não raro, a lugares de tensão e amenidade contrapostas, encontra nas personagens uma vocação de polifonia que os destinatários mais activos (os encenadores, desde logo) não deixarão de intuir e peculiarizar, num trabalho estético cujo relevo importará reconhecer.
Ademais, há nestas peças uma voz em devir. Torna-se curial acompanhá-la."
José Manuel Mendes
Presidente da Associação Portuguesa de Escritores
 in "Silêncio/Os Vendilhões do Templo"
"Não é comum esta poesia hoje. Não é vulgar, no panorama de nova poesia portuguesa ou, se se quiser, na poesia portuguesa dos mais novos, esta coragem de enfrentar o leitor. Negreiros rasga, fere, incomoda, impacienta. (...) Os outros são, afinal, o alimento da sua poesia, ao contrário do culto narcisista da maior parte da poesia que hoje se faz e se divulga, quase toda já escrita e já lida, onde cada livro tem dificuldade em inovar, em criar diferenças. E é por isso que, citando-o, há sempre lugar para mais um. Mas um que é mais. Um cujo canto é livre em relação a si mesmo e em relação aos outros, um que sobressai do imenso Cancioneiro Geral e medíocre daqueles que não aprenderam ainda a decisiva lição de que se pode cantar com várias vozes na voz com um timbre único e original."
Joaquim Pessoa
Poeta
 in "O cheiro da sombra das flores"

Metodologia

Na primeira fase do curso serão dadas as noções básicas para desenvolver com exactidão o conflito que faz mover a história. Nomeadamente, o conflito que gera a acção, assim como aquele que interiormente determina a movimentação físico-emocional das personagens. Os formandos serão levados, através de variados exercícios colectivos, a chegar a conclusões sobre o conflito e a necessidade da sua verosimilhança para que se prenda o público a uma história ou acontecimento.
Depois, serão dadas as coordenadas necessárias para que cada um defina pessoalmente a sua relação com a acção dramática, determinando intrinsecamente a sua própria forma de criar o fenómeno causa-efeito que irá fazer desenrolar o texto dramático
.
Todas as cenas escritas pelos formandos serão constantemente questionadas, tendo em conta as premissas de causalidade, ou seja, o que faz as personagens agirem de determinada forma, evitando o famigerado "porque sim".
Em seguida, será celebrado o momento que encerra a idiossincrasia da personagem teatral. É preciso caracterizá-la sem a apresentar, mas deixando que a acção a vá definindo e dando textura e complexidade, fugindo à unilateralidade e à tipificação.
Na sequência deste processo empírico de identificação serão tecnicamente abordados os níveis de linguagem, de modo a que o leitor/actor/encenador não seja sequer obrigado a ler o nome da personagem para saber que é ela que diz aquela frase ou executa aquele gesto.
Todo este aglomerar de premissas e construções serão, então, incluídos num espaço-tempo definido ou indefinido, dependendo da estética do aluno, dando corpo e coerência à peça de teatro.
Com esta teia montada será altura de a organizar através de uma arquitectura capaz, sólida e sem falhas, limando as arestas de um enredo que deverá ser apetecível, complexo, ainda que paradoxalmente, simples e vibrante em termos sonoros, agradando às vozes e corpos de actores e ouvidos e corpos do público.
"Estes passos são os que tento sempre dar quando escrevo por isso, e por não o saber fazer de outra maneira, darei esta opção de método de escrita para teatro a todos os que me quiserem ouvir para que ouçam, dialoguem, corrijam, cresçam e me façam crescer."
João Negreiros
Sítio oficial do formador: www.joaonegreiros.pt.vu
Para mais informações:
Contacto telefónico: 965530263/964344093
Arquivo de 2007