default-header-news
Academia, 10.02.2012
Investigadora da UMinho diz que corte nos feriados não foi democrático
UMinho
A professora Emília Araújo, do Departamento de Sociologia da Universidade do Minho, afirma que a eliminação de quatro feriados e do Carnaval não foi uma decisão política democrática em Portugal. Para a socióloga, esta medida visa principalmente fazer acreditar à Europa que os portugueses estão no ?bom caminho?, além de reduzir a probabilidade de serem acusados de ?preguiçosos?.

"É como se a sociedade existisse apenas para retirar do indivíduo o tempo usável em atividades imediatamente rentáveis", acrescenta a investigadora, numa altura em que os políticos e os empregadores tentam encontrar a melhor forma de rentabilizar o tempo das pessoas empregadas.

O problema não é a abolição de feriados em si, mas o que estas situações implicam na reorganização familiar e social: "Onde é que os pais podem deixar os filhos sem aulas ou os idosos? O que fazer com todas as tarefas deixadas propositadamente para estes dias?" são algumas das questões que, segundo a académica, merecem maior reflexão. "Esta diminuição do tempo livre obriga a malabarismos que têm consequências sistémicas para as famílias, as organizações, que terão uma maior taxa de ausência, e os próprios indivíduos", vinca a socióloga, que estuda a relação entre a cultura, as políticas e o tempo.

"As escolas, as organizações de trabalho e os governos submetem as pessoas a uma pressão enorme em termos de trabalho. São entidades que têm imenso controle sobre o nosso tempo", justifica. A solução está na implementação de novas políticas, como a reestruturação dos horários escolares, demasiado estandardizados e incompatíveis com muitos pais; a socialização dos governantes quanto à abertura dos serviços, entre os quais supermercados, do serviço público e das entidades culturais, que não condizem com a disponibilidade dos cidadãos. Tais medidas, que passam pela discussão pública, são necessárias porque a maioria das pessoas trabalha em regimes desencontrados. Isso pressupõe, principalmente na esfera familiar, o surgimento de novos estilos de estar em conjunto. Para esta investigadora do Centro de Estudos em Comunicação e Sociedade da UMinho, é preciso "debater o tempo como um assunto político e não apenas como mero dado quantitativo".

Carpe diemafeta poupança dos portugueses

A conhecida expressão "Aproveita hoje que amanhã podes morrer" transformou-se num lema de vida para o cidadão comum. "A valorização do carpe diem nas sociedades pós-modernas motiva as pessoas a viverem no presente, o que tem implicações diretas no planeamento do futuro", explica Emília Araújo. A poupança é uma das ações afetadas por esta lógica presentista. "A crise económica prova que é realmente importante pensar mais além. Aqueles que tiveram mais perspetivas sobre o futuro e outra postura relativamente ao aforro conseguem lidar melhor com esta situação de contenção", diz.

Alguns estudos indicam que as culturas nórdicas são mais disciplinadas, organizadas e predispostas para o futuro, sendo que os países europeus do centro são polícronos, ou seja, têm maior capacidade para realizar, em simultâneo, atividades diferentes. Já há muitas mudanças em curso, mas "os portugueses, espanhóis e italianos tendem em misturar com mais frequência o tempo livre e o trabalho. Ao seguir esta lógica atual, os portugueses, por exemplo, acabam por não ser tão produtivos. Isso não significa que o problema esteja na existência do tempo livre, mas sim nas formas de organizar o tempo de trabalho e o lazer", acrescenta.

__________________________________________

Gabinete de Comunicação, Informação e Imagem

Universidade do Minho

Tel.: (+351) 253601109 /28 | 961766329

Fax: (+351) 253601105

E-mail: gcii@reitoria.uminho.pt

(Pub. Fev/2012) 

Arquivo de 2012